in

Flamengo: Gabigol é agredido por dirigente do Vasco ainda no gramado e vídeo mostra tudo

Reprodução: Premiere

Assim que o árbitro apitou o final do clássico entre Flamengo e Vasco, os jogadores da duas equipes se envolveram em confusão no meio de campo. Gabigol parecia alheio a situação. Enquanto o bicho pegava, o jogador do Flamengo assista a tudo sentado na beira do gramado.

Logo depois, Gabigol se dirigiu ao centro do campo e acabou agredido por um dirigente do Vasco de forma surpreendente. O diretor de futebol do clube, André Azevedo, foi filmado agredindo o atacante do Flamengo.

Gabigol não marcou gols no clássico, mas foi importante no empate por 4 a 4. O atacante segue na liderança isolada da artilharia do Brasileirão, com 21 gols. Bruno Henrique fez dois e chegou a 18.

Gabigol é agredido

O atacante explicou a agressão sofrida. “(Estava) conversando com o Fellipe, ele (André) veio e me deu um tostão. Não entendi. Ele me agrediu. Na verdade, não tive reação. Agressão é algo que não dá para entender”, afirmou Gabriel. Ema algumas regiões, o “tostão” é conhecido como “paulistinha”.

“Prometi que não iria me envolver nessas coisas, vinha tomando cartões, vou melhorar. Fiquei quieto”, comentou o jogador.

Transmissão exibe agressão

O Premiere exibiu a agressão. Gabigol aparece bem tranquilo, é empurrado pelo auxiliar João de Deus, quando André se aproxima e desfere o tostão na perna do jogador.

No SporTV, os comentaristas Ana Thaís Mattos e o ex-jogador Grafite criticam a presença do dirigente no local e sua atitude com o jogador do Flamengo. Jorge Jesus também criticou o dirigente do clube adversário.

Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!

Mercado da bola: Edinson Cavani pode ir para o LA Galaxy

Flamengo toma medidas judiciais após caso Gabigol