in

Mercado da Bola: Grêmio e Flamengo são especulados em briga por Cavani, com saída do PSG

YouTube/BRUNO GOUDARD TV + Lac Design

A imprensa esportiva aponta para a possibilidade do brasileiro Thiago Silva e do uruguaio Edinson Cavani abandonarem o Paris Saint-Germain ao término da temporada européia no meio do ano que vem, sem uma renovação contratual. Por conta disso, as saídas do zagueiro e do atacante não renderiam nenhum centavo de euro para o clube francês, e os jogadores ficariam totalmente livres para a janela de transferências.

No Brasil, o fato foi noticiado em primeira mão pelo ESPN, e causou euforia nos torcedores, sobretudo do Flamengo e do Grêmio, que passaram a cogitar a vinda de Cavani para uma das duas equipes.

Publicidade

O uruguaio esteve no Brasil na disputa da Copa do Mundo de 2014 e da Copa América deste ano. Em solo brasileiro, foi agraciado com diversos presentes vindos de vários clubes do país, inclusive um uniforme personalizado do próprio Grêmio. Em entrevista, Cavani chegou a elogiar o futebol brasileiro.

Rumores de vinda para o Brasil

Por conta dos supostos laços entre o uruguaio e o Tricolor Imortal, os gremistas apontaram nas redes sociais uma certa facilidade para negociar com o atleta. Os flamenguistas, por sua vez, recordaram o poderio econômico atual do Rubro-Negro, e a ousadia para negociar estrelas do futebol mundial, tal como aconteceu com Mario Balotelli, que acabou fechando com o futebol italiano.

Publicidade

Planos são distantes

Apesar da animação dos torcedores, a ideia inicial de Cavani é permanecer no futebol europeu. Atlético de Madrid, Manchester United, Internazionale de Milão e Napoli (onde já atuou e virou ídolo) são times que vira e mexe citam o interesse no craque de 32 anos.

Publicidade
Avatar

Escrito por Henrique

Henrique Furtado é um redator que gosta de ocupar o seu tempo livre lendo notícias, e noticiando aquilo que acha mais interessante.

Next post

Craque brasileiro arrasa Brasil por causa de Jorge Jesus: ‘inveja’

Messi e sua decisão no Barça: ‘por vezes, é preciso pensar na família’