in

Real Madrid e a operação que pode mudar todo futuro do time

Diario AS

As coisas não estão correndo bem no Real Madrid e já tem quem fale em crise. O time investiu muito em reforços, mas continua sem apresentar um bom desempenho e essa derrota contra o PSG, por 3 a 0, na Champions League deixou marcas em Zidane. O treinador francês começa sendo contestado, após mais um jogo mal conseguido da parte de seu time. Então, Florentino Pérez estaria já planejando o próximo Real Madrid, pensando em possíveis acréscimos nas próximas janelas de mercado, em que nomes como Paul Pogba, Kylian Mbappé, Jadon Sancho e Christian Eriksen estariam na agenda do presidente espanhol.

Real Madrid pensa em novos reforços

O dinamarquês Eriksen, jogador do Tottenham, poderia mesmo ser a próxima contratação do Real Madrid, até porque o jogador termina seu contrato no próximo ano e os ingleses poderiam tentar fazer algum dinheiro em sua saída. Se Eriksen não sair em janeiro, ele poderia sair de graça, no final da temporada, o que não seria a melhor solução para os ‘spurs‘.

Publicidade

Outros nomes são os de Jadon Sancho e Kylian Mbappé, dois dos jogadores mais entusiasmantes da atualidade. São ainda muito jovens, mas são já valores seguros. Ninguém duvida do nível elevado do craque do Borussia de Dortmund e, menos ainda, do francês do PSG.

Lugar de Zidane em risco

O Real Madrid poderia, então, apostar em novos reforços, que possam acrescentar mais qualidade no time, mas as mudanças poderiam começar mais em cima. E aí parece que o lugar de Zinedine Zidane poderia estar em risco.

Publicidade

De acordo com o site Don Balón, Florentino Pérez confia em Zidane, mas se as coisas continuarem desse jeito, o presidente teria já um novo nome para liderar seu time. O favorito é, então, Jürgen Klopp. A contratação do alemão parece difícil para o Real Madrid, mas Florentino estaria estudando essa possibilidade, se preparando com uma oferta irrecusável.

Publicidade
Next post

Craque ganhou tudo na Europa, mas sofre para vingar no Brasil

Craque brasileiro regressa cinco anos depois