in

A volta de Andy Murray e outras coisas para conferir no Masters 1000 de Cincinnati

Divulgação / Tennis Australia

Andy Murray nunca anunciou, de fato, a sua aposentadoria. No Aberto da Austrália de 2019, falou que planejava parar, já que não estava mais suportando a dor no quadril. Apesar das homenagens de despedida de um profissional, o inglês fez a cirurgia no quadril e voltou recentemente para as quadras, em jogos de duplas. No Masters 1000 de Cincinnati, que começou neste domingo (11), sete meses depois do que poderia ser o fim, ele fará sua reestreia em simples.   

Foi em Cincinnati que Andy levantou pela primeira vez um troféu de Masters 1000. Mas agora, o bicampeão fala mantém as expectativas baixas, e vê o evento como um teste para seu quadril direito. Aos 32 anos, o britânico enfrentará o francês Richard Gasquet nesta segunda (12), não antes das 14h30. Caso vença, terá confronto na segunda rodada com o austríaco Dominic Thiem.

“As atuações contra os melhores jogadores de singles nos treinos têm sido boas. Estou ciente de que as partidas são diferentes, mas em algum momento você precisa dar um passo para tentar jogar ”, disse o atual número 334 do mundo,, que está no evento graças ao convite dos organizadores. “A maneira mais rápida de se atualizar é estar na quadra e competir com os melhores jogadores”.

Roger Federer e Novak Djokovic em ação

O Masters 1000 dessa semana também marca a volta de Federer e Djokovic após disputa de Wimbledon, em 14 de julho. E assim como na competição inglesa deste ano, em 2018 foram eles os finalistas de Cincinnati. Na ocasião, Djokovic venceu e se tornou o primeiro jogador a completar o Career Golden Masters, conquistando o último troféu de Masters 1000 que lhe faltava.

Federer vai disputar um oitavo título em seu mais bem-sucedido torneio Masters 1000. Ele triunfou em 2005, 2007, 2009-10, 2012 e 2014-15. De quebra, tentará mostrar que a derrota de Wimbledon são águas passadas.

Duplas brasileiras

Nem sempre os confrontos de primeira rodada são os mais aguardados, mas em Cincinnati acontecerão encontros interessantes. Principalmente em duplas. Marcelo Melo e Lukas Kubot tentarão esquecer da eliminação precoce em Montreal enfrentando Novak Djokovic. Após longas pausas, ele opta por também disputar jogos de duplas para ganhar ritmo. O sérvio estará na companhia de seu conterrâneo Janko Tipsarevic. O jogo será na quadra três, não antes das 13h (de Brasília) desta segunda-feira (12).

Bruno Soares e Mate Pavic ainda buscam engrenar como dupla. E o primeiro desafio dos dois também começa nesta segunda. Enfrentarão os alemães Krawietz e Mies, campeões de Roland Garros em 2019. Marcelo Demoliner jogará com Daniil Medvedev desta vez. Ao lado do russo, terá um pedreira na primeira rodada: Robin Haase e Wesley Koolhof, que chegaram a final em Montreal, na semana passada.

Next post

Corinthians: suspeito de matar jogador de futsal é preso em Erechim (RS)

Mercado da bola: presença de advogado aumenta rumores de Neymar no Barcelona