in

Alexandre Pato deixa a desejar e faz no São Paulo a pior estréia em um clube na carreira

GAZETA PRESS

Alexandre Pato tem vivido dias nada fáceis no São Paulo. Após o seu retorno para o tricolor paulista, em sua segunda passagem, o atacante está passando pelo seu pior início em clube durante toda a carreira.

Na conta do jogador, estão apenas dois gols em nove partidas disputadas. Esta é uma média muito ruim para a sua posição.

Alexandre Pato chegou ao São Paulo em março deste ano. Ele não disputou o Campeonato Paulista, pois o período de inscrições dos atletas já havia se esgotado.

Por conta disso, ele passou cerca de um mês treinando no CT do time. A sua primeira partida oficial foi no dia 27 de abril, contra o Botafogo, pelo Campeonato Brasileiro. Para frustração dos torcedores, a estreia foi marcado por nenhum gol.

Alexandre Pato fez apenas dois gols pelo São Paulo

Em seu retorno, a primeira vez que ele balançou as redes foi no jogo seguinte contra o Goiás. Alexandre Pato abriu o marcador que conferiu a Vitória por 2 a 1 para o time Paulista.

A partir de então, os torcedores e a diretoria passaram a acreditar que o atacante seria a solução para os problemas ofensivos do time. Porém, nos jogos seguintes, o desempenho foi longe do aguardado.

Alexandre Pato passa por jejum de gols no São Paulo

A melhor estreia em um começo de time de Alexandre Pato foi no Milan, em 2008. Naquele ano, o atacante marcou seis gols em suas primeiras nove partidas.

Depois do gol contra o Goiás, Alexandre Pasto passou por 5 longas partidas sem fazer nenhum gol. A segunda e última vez que balançou as redes, foi apenas na sétima rodada do Campeonato Brasileiro, na partida contra o Cruzeiro.

Avatar

Escrito por Henrique

Henrique Furtado é um redator que gosta de ocupar o seu tempo livre lendo notícias, e noticiando aquilo que acha mais interessante.

Next post

Conheça o novo destaque das corridas profissionais: jovem brasileiro de apenas 17 anos

Paolo lesiona quinto metatarso às vésperas da Copa América, e Peru vive novo dilema no time