in

Andrés Sanchez pede calma à torcida e promete duas bombas no Corinthians

Divulgação Corinthians
Publicidade

O ano de 2020 será diferente para a torcida do Corinthians, depois de títulos em 2017, 2018 e 2019. Neste ano, com a derrota do Paulistão, o Timão não vai poder comemorar nenhum título. Copa do Brasil (o Corinthians entra nas oitavas de final) e Brasileirão terminam apenas no ano que vem.

Nesta semana, em que o clube completou 110 anos, a grande novidade foi a venda dos naming rights do estádio, que agora passou a ser Neo Química Arena. Mas Andrés Sanchez afirmou que as novidades não param por aí e deve vir mais coisas boas para o torcedor corintiano.

O presidente do clube participou do programa Encontro de Craques, do Bandsports, na noite desta quinta-feira (3), e comentou sobre duas bombas para a torcida no mês de outubro. A expectativa a partir de agora será muito grande. 

Publicidade

“Nós fechamos R$ 300 milhões por 20 anos, praticamente 60% ou 65% do valor que nós devemos para a Caixa. Mas o corintiano pode ficar sossegado porque até o começo de outubro vai ter mais uma novidade boa; no final de outubro, vai ter a bomba principal”, disse Andrés.

Publicidade

O presidente afirmou que sai com o coração magoado do clube por causa das críticas que vem recebendo. Segundo ele, foram sete, oito anos sendo massacrado, inclusive por corintianos. Andrés disse que isso o machuca bastante. 

Andrés também disse também que o estádio era o sonho de todo corintiano e que o time não deixou de ganhar títulos por causa da Arena. “Agora tem que pagar”, disse o mandatário alvinegro. No fim do ano, haverá eleições para escolha de um novo presidente.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

Já vai Thiago Neves? Romildo teria tomado decisão que contraria Renato e agrada a torcida

Bomba: Cavani acerta com o Grêmio e tem data marcada para chegar ao Brasil, diz jornalista