in

Torcida do Flamengo mostra revolta com cobrança em dinheiro pela live da semifinal da Taça Rio

Jornal de Brasília/Divulgação
Publicidade

A diretoria da Gávea tomou uma nova decisão sobre a semifinal da Taça Rio entre Flamengo e Volta Redonda, que acontece no próximo domingo (5). Ao contrário da transmissão da partida anterior, gratuita pelo canal da FLA TV no YouTube, desta vez os torcedores terão que pagar para assistir ao duelo. A plataforma MyCujoo foi a escolhida para transmitir o jogo, com imagens colhidas em parceria com a própria FLA TV.

Parte da torcida se irrita com cobrança pela transmissão

Os Rubro-Negros que são sócios torcedores do clube terão livre acesso ao jogo. Os demais, que não fazem parte do programa de fidelização do clube, deverão arcar com a quantia de R$ 10. Para quem mora no exterior, a cobrança será ainda maior, na faixa dos US$ 8 (cerca de R$ 42 na cotação atual).

Logo após a divulgação desta notícia, as redes sociais do clube se encheram de comentários críticos deixados por boa parte da torcida Rubro-Negra. A cobrança não foi bem aceita, e a diretoria foi alvo de hostilidades.

Publicidade

Sede do Flamengo amanhece pichada

A indignação dos torcedores Rubro-Negros virou atos de vandalismo. A sede do clube na Gávea amanheceu pichada com palavras de ordem do tipo “O Flamengo é do povo” e “Fora Landim ganancioso”. Não bastasse, o clube perdeu cerca de 20 mil inscritos no canal da FLA TV no YouTube de ontem pra hoje.

Publicidade

Em nota, a diretoria do Flamengo informou que os não sócios-torcedores, que não queiram arcar com a quantia de R$ 10, poderão acompanhar a partida ao vivo pelas redes sociais do clube, mas apenas com áudio da narração, sem imagens.

Publicidade
Avatar

Escrito por Henrique

Henrique Furtado é um redator que gosta de ocupar o seu tempo livre lendo notícias, e noticiando aquilo que acha mais interessante.

Next post

Mercado da Bola: São Paulo toma decisão sobre Everton Felipe após calote do Cruzeiro

Rafinha fala sobre possível saída de Jorge Jesus para a Europa: ‘Oportunidades são únicas’