in

Ronaldo Fenômeno e os presentes incríveis que já deu aos jogadores do Real Valladolid

Getty Images
Publicidade

Ronaldo Fenômeno é um dos maiores jogadores do futebol mundial dos anos 1990 para cá. O currículo do ex-atacante impressiona. Por onde passou, ele conquistou títulos importantes e tornou-se ídolo. Revelado pelo Cruzeiro, na década de 1990, Ronaldo hoje é presidente do Real Valladolid, da Espanha.

A equipe disputa a primeira divisão do Campeonato Espanhol e tem em Ronaldo seu maior acionista. Em outras palavras, o Fenômeno é dono do clube. O Valladolid tenta se firmar na primeira divisão do futebol espanhol para depois subir degraus em direção a glórias maiores.

Ronaldo é um presidente generoso

Desde os tempos de jogador, Ronaldo sempre mostrou-se uma pessoa muito inteligente e atenta aos negócios. Por isso, ninguém fica surpreso ao saber que ele é dono e presidente do Valladolid. O ex-atleta sempre mostrou faro para os negócios. No Valladolid, Ronaldo mostra-se um presidente generoso, que sabe agradar aos jogadores do elenco.

Publicidade

“O Ronaldo é um presidente muito presente. Sempre comparece aos treinamentos, conversa com os jogadores, comissão técnica… Tudo isso é muito importante. Todos gostam muito desse jeito simples, porque ele é humilde a todo momento, trata todos da mesma maneira. É um pessoa fantástica”, afirmou o volante Matheus Fernandes, ex-Palmeiras.

Publicidade

Na atual temporada, Ronaldo presentou o elenco após uma vitória sobre o Espanyol no Campeonato Espanhol. O presidente deu passagens aéreas e celulares iPhone (um dos mais caros que existem) para os jogadores como prêmio pela conquista dos três pontos.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

Craque que não doou dinheiro para combate ao coronavírus fica desempregado e faz comunicado

De olho em Dudu, Al Duhail tentou contratar outro craque de clube da Série A antes de focar no camisa 7