in

Caso Ronaldinho: padre Fabio de Melo dá declaração sobre prisão do ex-craque

G1 / Reprodução Globo
Publicidade

Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto Assis, seguem presos no Paraguai. Os dois viajaram para lá no dia 4 de março. No mesmo dia, foram detidos pela polícia local porque estavam com passaportes e cédulas de identidade falsas. Os números eram verdadeiros, mas pertenciam a duas mulheres.

Dois dias depois, eles foram encaminhados à Agrupación Especializada de Assunção, capital do país. Até mesmo o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública teria telefonado para o país para saber como estava a situação dos dois e para onde eles seriam encaminhados.

A defesa de Ronaldinho e de Assis entrou com diversas ações para que eles fossem transferidos para a prisão domiciliar. No dia 7 de abril, o juiz Gustavo Amarilla concedeu esse benefício e os dois foram transferido para o Hotel Palmaroga, no centro histórico de Assunção.

Publicidade

No local de luxo, eles estão desde o dia 7 de abril. A defesa, capitaneada pelo advogado Sérgio Queiroz, que está hospedado no mesmo hotel, tenta autorização para que eles retornem ao Brasil e aguardem o julgamento daqui. As investigações continuam e outras pessoas envolvidas na falsificação foram presas. O Ministério Público do Paraguai quer saber se não há outros esquemas por trás.

Publicidade

Fabio de Melo faz post sobre prisão de Ronaldinho

O padre Fabio de Melo usou o Twitter para falar sobre a prisão do ex-craque do futebol. De forma bem-humorada, o padre comentou. “Gente, nós esquecemos o Ronaldinho no Paraguai”. O post feito no Twitter já passou a marca de 120 mil curtidas e tem milhares de comentários e de compartilhamentos.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

Flamengo sabe dos avanços do Benfica por Jorge Jesus e dá resposta final

Empresário desabafa por falta de espaço para jogador no Flamengo: ‘Não dá pra continuar’