in

Corinthians: guerra política fica escancarada e Andrés se defende como pode

Agência Corinthians
Publicidade

A situação financeira do Corinthians é muito difícil. A Caixa Econômica cobra R$ 536 milhões na Justiça. Além disso, há mais de 200 milhões negativos. A dívida do clube passa da marca de R$ 700 milhões. Apesar disso, o Corinthians anunciou a contratação do atacante Jô, de 33 anos, que chega para contrato de três anos e meio.

Apesar da contratação, o ambiente político conturbado permanece. Nesta quinta-feira (18), o Parque São Jorge amanheceu com muros pichados. O presidente Andrés Sanchez, que caminha para o fim do mandato, foi duramente xingado. “Fora Andres pilanta”, dizia uma das pichações. “Câncer maldito”, estava escrito em outro. “Se gritar pega ladrão, não fica um”.

Corinthians emite nota e Andrés se defende como pode

Diante da situação econômica conturbada – e ficou ainda mais por causa da pandemia do novo coronavírus -, Andrés Sanchez está de mãos atadas no Timão, após os ataques, o clube emitiu uma dura nota em que classificou o episódio como lamentável e feito por covardes. As pichações foram feitas durante a madrugada.

Publicidade
Publicidade

“É lamentável que, em ano eleitoral, milicianos e patifes queiram tumultuar o trabalho sério que está sendo feito neste momento difícil”, diz trecho do comunicado. A nota diz ainda que são 90 dias sem jogos e que houve queda de receita, mas promete anunciar novos patrocinadores em breve.

Publicidade

De acordo com o texto, os ataques a atual diretoria só interessa aos inimigos do clube. A nota termina dizendo que “criminosos serão punidos e que o futuro do Corinthians não será manchado”, diz.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

Bolsonaro x Doria: como o futebol de SP foi afetado por briga política

Cristiano Ronaldo é detonado após derrota da Juve: ‘não consegue sequer driblar’