in

Promotores que investigam Ronaldinho no Paraguai também apuram casos de narcotráfico

G1
Publicidade

Tudo pode mudar em um segundo. A frase é verdadeira para o ex-craque do Barcelona e da seleção brasileira, Ronaldinho Gaúcho, preso há mais de 100 dias no Paraguai. O ex-jogador chegou ao país acompanhado do irmão, Roberto Assis, no dia 4 de março.

Naquele mesmo dia, foram interpelados pela polícia e portavam cédulas de identidade e documentos falsos. Dois dias depois, quando tudo parecia resolvido, os irmãos foram enviados para a cadeia. Na Agrupación Especializada, ficaram mais de 30 dias e só deixaram o local no dia 7 de abril.

A partir daquela data, os brasileiros foram encaminhados para a prisão domiciliar, onde estão atualmente. O Hotel Palmaroga, no centro histórico de Assunção, é a casa dos irmãos no país vizinho. Além deles, estão no local o advogado Sérgio Queiroz e um outro funcionário da família.

Publicidade

MP do Paraguai se debruça em várias investigações

A defesa de Ronaldinho tenta fazer com que ele e Assis sejam liberados e possa aguardar o desfecho da investigação em liberdade. Sérgio Queiroz entrou com ação na Justiça, mas o judiciário do país trabalha em marcha lenta devido à pandemia do novo coronavírus.

Publicidade

De acordo com a ESPN, a perícia nos celulares dos irmãos Assis foi concluída, mas a análise é feita em ritmo lento. Os promotores responsáveis por acompanhar o caso se debruçam sobre outras investigações também. Além do caso Ronaldinho, os fiscais também apuram ocorrências envolvendo narcotráfico, lavagem de dinheiro e crime organizado.

Tudo isso torna a investigação referente ao Brasileiro ainda mais lenta. A prisão preventiva de Ronaldinho e Assis pode durar até seis meses. Neste caso, os dois ficariam no Paraguai até setembro.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

Cueva no São Paulo? O que a diretoria do Tricolor pensa sobre recontratar meia

Caso Ronaldinho: promotores descobrem esquema de produção de documentos falsos