in

Ronaldinho há mais tempo no Paraguai do que em passagem pelo Fluminense

Instagram Ronaldinho
Publicidade

Ronaldinho e seu irmão, Roberto Assis, seguem presos no Paraguai e atingiram uma marca impressionante nesta sexta-feira (12): eles estão há 100 dias detidos no país vizinho ao Brasil. Desde o dia 4 de março, quando desembarcaram em Assunção, muita coisa mudou.

Ronaldinho e Assis viajaram para participar de um evento beneficente na capital do Paraguai. Assim que desembarcaram no país, receberam passaportes e cédulas de identidade falsas. Ainda no hotel, foram detidos pela polícia e a epopeia em terras paraguaias começou.

Os irmãos brasileiros foram presos no dia 6 de março e acabaram encaminhados à Agrupación Especializada, presídio de segurança máxima que abriga ex-policiais que cometeram crime. No dia 7 de abril, após terceiro pedido da defesa, a Justiça autorizou saída para a prisão domiciliar.

Publicidade

Ronaldinho e Assis estão em hotel de luxo

Os brasileiros estão hospedados em um hotel de luxo do centro histórico de Assunção. De hóspedes, além dos dois, está o advogado da dupla, Sérgio Queiroz. Não há mais ninguém, além dos funcionários, por causa da pandemia do novo coronavírus. No hotel há piscina e academia de ginástica disponível para Ronaldinho, mas ele e seu irmão não podem deixar o local. Menos ainda o país.

Publicidade

Ronaldinho jogou no Fluminense por 80  dias

A defesa de Ronaldinho e Assis entrou com recurso pedindo a anulação da prisão preventiva. No Paraguai, este tipo de prisão pode durar seis meses. O julgamento da apelação ainda não tem data marcada. Sergio Queiroz confia em resultado favorável em breve. Os 100 dias de prisão no Paraguai já são mais longos do que os 80 dias em que o ex-craque passou no Fluminense.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

Vem para o Brasil? Thiago Silva surpreende ao falar sobre o futuro da carreira

Ex-dirigente do Corinthians não perdoa o Flamengo e o que diz causa polêmica