in

Caso Ronaldinho: os políticos envolvidos na prisão do craque no Paraguai

Instagram Ronaldinho
Publicidade

A prisão de Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto Assis, foi muito impactante. Os dois estão detidos no Paraguai desde o dia 6 de março, quando a Justiça decidiu prendê-los por uso de passaportes e cédulas de identidade falsificadas. Os dois haviam chegado à Assunção, capital do país, dois dias antes.

Com mais de 50 milhões de seguidores nas redes sociais e com passagens por clubes gigantes de todo o mundo, como PSG, Barcelona e Milan, na Europa, e Flamengo, Atlético-MG e Fluminense, no Brasil, a prisão de Ronaldinho chamou a atenção. Por trás dela, há a participação direta ou indireta de políticos.

Sergio Moro teria ligado para as autoridades paraguaias

Apoiador do então candidato à presidência Jair Bolsonaro, Ronaldinho foi escolhido para ser embaixador do turismo em 2019. Quando foi preso, em março deste ano, o ministro da Justiça e Segurança Pública da época, Sergio Moro, telefonou às autoridades paraguaias para saber mais sobre a prisão do craque brasileiro.

Publicidade

Moro teria sido tranquilizado em relação ao local em que Ronaldinho e Assis ficariam presos. Os dois foram encaminhados para a Agrupación Especializada, presídio de segurança máxima de Assunção e onde estão ex-policiais que cometeram crime. O ex-jogador foi muito bem tratado no local, fez amizades, jogou futebol, futevôlei e até gravou vídeo para a família de um dos presos.

Publicidade

Sergio Moro deixou o governo em abril. Seu sucessor, André Mendonça, assim como Moro, não tomou nenhuma atitude pública em relação a Ronaldinho. Segundo o jornalista Cosme Rímoli, do R7, haveria o medo, por parte do governo, de se envolver sem saber ao certo as acusações que pesam contra o ex-jogador e seu irmão.

Ministro paraguaio sabia da fraude

Dias atrás, o jornal ABC Color revelou que um dos acusados pelo esquema de falsificação, Sebastián Medina, revelou que tentou avisar o ministro do Interior do Paraguai, Euclides Acevedo, sobre o caso. Medina foi recebido pelo assessor de Acevedo, Anastasio Ojeda, que garantiu estar ciente da irregularidade. O ministro também sabia.

Acevedo chegou a afirmar em entrevista dada em março que Sergio Moro não teria gostado da prisão de Ronaldinho. “(Moro) também perguntou se estão em um local seguro, e respondi que sim. Ele não gostou da prisão de Ronaldinho”, afirmou em entrevista ao canal paraguaio CN9.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Grêmio perto de garantir até seis reforços e agita todo o time

Crise? Cruzeiro surpreende e anuncia dispensa de dois jogadores experientes do elenco