in

Caso Ronaldinho: Brasil troca ministro, mas não se envolve na prisão do ex-craque

TV ABC Color
Publicidade

Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto Assis, seguem detidos no Paraguai. A prisão de ambos está próxima de completar três meses e não há previsão de quando ele vai deixar o país vizinho ao Brasil. Os irmãos foram detidos pela polícia no dia 4 de março. Eles estavam com passaportes e cédulas de identidade falsas. Dois dias depois, a Justiça decretou a prisão de ambos.

Ronaldinho e Assis foram encaminhados para a Agrupación Especializada, em Assunção. O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, teria ligado ao Paraguai para saber para onde os brasileiros iriam ser encaminhados. Ronaldinho apoiou publicamente o então candidato à presidência Jair Bolsonaro durantes as eleições de 2018.

No dia 7 de abril, a defesa dos brasileiros conseguiu a autorização para a transferência para a prisão domiciliar. Ronaldinho e Assis seguem em um hotel de luxo do centro histórico de Assunção, acompanhados de advogado e outro funcionário. A polícia acompanha o ex-craque e seu irmão no local.

Publicidade

Sergio Moro saiu, mas nada mudou

Apesar de ter ligado para o Paraguai, Sergio Moro não foi além disso. O governo brasileiro não interferiu na prisão do ex-craque da seleção brasileira. No fim de abril, Moro pediu demissão do cargo de ministro. André Mendonça, nome escolhido para substitui-lo, também não se manifestou sobre o caso.

Publicidade

De acordo com o colunista Cosme Rímoli, do R7, o governo brasileiro não se envolve na prisão de Ronaldinho e Assis porque não têm certeza da inocência de ambos. O Ministério Público do Paraguai investiga os brasileiros e outras pessoas envolvidas na falsificação de documentos. A defesa de Ronaldinho e Assis tenta autorização para que eles possam voltar ao Brasil.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

Marco Aurélio Cunha tem grande chance de ser o novo presidente do São Paulo

Corinthians continua perdendo torcedores e fenômeno chama a atenção