in

Corinthians se articula para tirar Cazares do Atlético-MG sem pagar nada

Divulgação Atlético-MG
Publicidade

O atacante Cazares tem contrato com o Atlético-MG até dezembro deste ano. Em julho, ele estará liberado para assinar pré-contrato com qualquer outra equipe e o destino do jogador pode ser o Corinthians. O Timão tem interesse no atleta e ele quer deixar o Galo. Combinação perfeita para um provável negócio.

Cazares recebe R$ 300 mil mensais no Atlético-MG. Jorge Sampaoli chegou ao Galo e pediu a permanência do atleta. Alexandre Mattos, diretor de futebol do clube, foi atrás dos empresários do jogador e ofereceram 20% de reajuste. Neste caso, o salário do jogador iria para R$ 360 mil.

Empresário de Cazares fala sobre possível saída do jogador

Em entrevista ao UOL, Jorge Marino, empresário do atacante, afirmou que Cazares não vai renovar. Segundo o agente, o ciclo de Cazares no Galo se encerrou. Na mesma entrevista, Marino revelou que não há nada com o Corinthians nem com qualquer outra equipe brasileira.

Publicidade

Andrés quer Cazares no Corinthians

Presidente do Corinthians até o fim do ano, Andrés Sanchez teria sido convencido por Fábio Carille que Cazares pode se tornar ídolo no Corinthians. O treinador deixou o clube, mas o desejo de Andrés parece continuar. Cazares também já demonstrou que gosta do alvinegro de São Paulo.

Publicidade

Em entrevista ao Canal del Fútbol, no Equador, seu país natal, Cazares falou sobre a admiração que tem pelo Corinthians. Perguntado se gostaria de jogar no Timão, ele respondeu que sim e disse que trata-se de uma grande equipe do futebol brasileiro. “Como não vou gostar de vestir a camisa de uma equipe tão grande é o Corinthians?”, perguntou o jogador.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

São Paulo: grande nome do clube morre e luto oficial é anunciado

Atletas se mobilizam contra Jair Bolsonaro, após veto a auxílio emergencial