in

Caso Ronaldinho: ex-craque já gastou quase R$ 150 mil na prisão domiciliar

Instagram Ronaldinho
Publicidade

Ronaldinho e seu irmão, Roberto Assis, estão presos na cidade de Assunção, capital do Paraguai, desde o dia 6 de março. A prisão ocorreu após eles serem detidos, no dia 4 de março, portando cédulas de identidade e passaportes falsos. Ronaldinho e Assis foram encaminhados à Agrupación Especializada e ficaram por até o dia 7 de abril.

Nesta data, a Justiça autorizou que os dois ficassem em prisão domiciliar. A defesa do ex-craque do Barcelona e de seu irmão pagou cerca de R$ 8 milhões para que eles deixassem a cadeia de segurança máxima que abriga policiais que cometeram crime.

Publicidade

Ronaldinho e Assis gastam muito com hotel

Além dos milhões desembolsados para serem levados para a prisão domiciliar, os irmãos têm gastado muito com as diários de hotel. Ronaldinho e Assis pagam 700 dólares por dia pelos quartos onde estão (350 dólares para cada um deles). Devido a pandemia do novo coronavírus, o dólar está muito valorizado em relação à moeda brasileira.

Nesta terça-feira (12), por exemplo, o valor da moeda americana está em R$ 5,78. Nesta cotação, Ronaldinho e Assis desembolsam R$ 4.048 por dia. Em 36 dias, eles já gastaram R$ 145.728. Quase R$ 150 mil em pouco mais de um mês. Ainda não se sabe quando eles vão deixar o Paraguai. 

Publicidade

Defesa tenta trazer os dois de volta ao Brasil

Depois de conseguirem que Ronaldinho e Assis deixassem a cadeia e ficassem em prisão domiciliar, a defesa dos brasileiros tenta trazê-los de volta ao Brasil. A situação não é fácil porque a Justiça do Paraguai segue investigando o caso e monta uma teia para saber se não há outros crimes ligados aos irmãos.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

Ex-jogador do Palmeiras testa positivo para o coronavírus na Espanha

Vasco anuncia medida drástica para tentar controlar a crise por conta do coronavírus