in

Caso Ronaldinho: ex-craque segue preso e foi esquecido pelo ‘patrão’ Bolsonaro

TV ABC Color
Publicidade

Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Roberto Assis, seguem presos no Paraguai desde o dia 6 de março. No dia 4 daquele mês, os dois chegaram à Assunção, capital do país vizinho ao Brasil, para participar de alguns eventos, como o lançamento de um livro sobre a vida do craque.

Ronaldinho e Assis receberam cédulas de identidade e passaportes falsos, acabaram detidos e foram parar atrás das grades, onde ficaram por 32 dias. No dia 7 de abril, os irmãos deixaram a Agrupación Especializada de Assunção e foram para a prisão domiciliar.

Jair Bolsonaro não fala sobre Ronaldinho

Ronaldinho apoiou publicamente Jair Bolsonaro na campanha presidencial de 2018. Após a eleição de Bolsonaro, o ex-craque do futebol mundial foi declarado embaixador do turismo. O cargo é voluntário, não remunera e faz parte de um programa da Embratur em que personalidades brasileiras exercem o papel de embaixadores de atrações turísticas do país.

Publicidade

Desde que Ronaldinho foi preso, Jair Bolsonaro não se manifestou sobre o seu apoiador. O presidente se mantém em silêncio sobre a prisão do ex-jogador do Atlético-MG e da seleção brasileira, mas o governo já se envolveu no caso de alguma forma.

Publicidade

Ex-ministro entrou em contato com a Justiça do Paraguai

Sergio Moro, ex-ministro da Justiça e da Segurança Pública, entrou em contato com a Justiça do Paraguai para saber as condições envolvendo a prisão de Ronaldinho. Moro teria recebido algumas informações, como saber para onde Ronaldinho e Assis seriam encaminhados após detenção com documentos falsificados.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Santos bate o martelo e exige R$ 48 milhões do Athletico-PR: ‘não vamos perdoar’

Atlético-MG: Jair Bolsonaro veste camisa do Galo e causa discussão entre os torcedores