in

Seis clubes da Série A não entregam balanço financeiro e podem ser punidos; entenda

Rodrigo Coca - Divulgação - Corinthians
Publicidade

Na última quinta-feira (30) esgotou-se o prazo para os clubes brasileiros publicarem os seus respectivos balanços financeiros referente à temporada passada. Apesar da medida vigorar como lei, seis clubes que integraram a elite nacional em 2019 não entregaram a documentação. A informação foi divulgada no blog do Rodrigo Capelo, do Globoesporte.com

Do sexteto que ainda não entregou as demonstrações financeiras, quatro clubes acabaram sendo rebaixados na temporada passada: Avaí, Chapecoense, Cruzeiro e CSA. Além deles, Atlético-MG e o Corinthians ainda não publicaram o balanço.

Publicidade

Possíveis punições

Por se tratar de algo que está estabelecido dentro da “Lei Pelé”, sancionada em 1998, os dirigentes e clubes podem sofrer sanções. 

A Lei obriga que todos os clubes publiquem os seus demonstrativos financeiros em sítio eletrônico próprio até 30 de abril do ano seguinte. 

Publicidade

“Caso não entregue neste prazo, a legislação sujeita os dirigentes destes clubes à inelegibilidade, por cinco anos, para cargos ou funções eletivas ou de livre nomeação em qualquer entidade ou empresa direta ou indiretamente vinculada às competições profissionais da respectiva modalidade desportiva“, explica Carlos Aragaki, coordenador da Câmara dos Contadores no Ibracon.

Situação na Série B

Na Série B, o cenário foi de maior “inadimplência” entre os clubes. Das 20 equipes, 12 deles não entregaram o balanço financeiro. Até mesmo o campeão Red Bull Bragantino atrasou na entrega. O time do interior paulista, no entanto, já encaminhou a documentação para a FPF e aguarda aprovação para publicar.

Além do Massa Bruta, Botafogo-SP, Brasil de Pelotas, Coritiba, CRB, Cuiabá, Figueirense, Londrina, Oeste, Operário-PR, São Bento e Vitória não cumpriram com o compromisso.

Publicidade
Next post

Já vai? Atacante do São Paulo tem data definida para deixar o clube

Flamengo é três vezes maior que o Corinthians financeiramente; veja os números