in

Cristiano Ronaldo não quer se reapresentar na Juventus e usa justificativa forte para isso

Divulgação - Juventus
Publicidade

Em Portugal desde o início da pandemia do coronavírus, o atacante Cristiano Ronaldo não quer se reapresentar à Juventus para a retomada dos treinamentos. Segundo o jornal italiano Corriére dello Sport, o craque português classifica que não há o controle sobre a pandemia no momento e utilizou o caso do companheiro Dybala como exemplo. Mesmo assintomático, o argentino testou positivo para a doença pela quarta vez.

Cristiano Ronaldo foi o primeiro jogador do elenco bianconero a deixar o grupo no início da pandemia, indo para a sua residência na Ilha da Madeira, em sua terra natal. A Juventus acabou sendo intensamente afetada pelo coronavírus. Além de Dybala, Rugani e Matuidi também testaram positivo para a doença.

Publicidade

De acordo com o periódico, CR7 já manifestou o seu desejo de permanecer em Portugal, onde vem realizando alguns exercícios para não perder o condicionamento físico. Para o craque, mesmo que os treinamentos sejam limitados e com o acompanhamento médico, ainda há risco.

Último compromisso

A última vez que Cristiano Ronaldo e a Juventus estiveram em campo foi no dia 8 de março, quando em Turim, superaram a Inter de Milão pelo placar de 2 a 0. O triunfo foi de extrema importância para a Velha Senhora abrir uma boa vantagem em relação ao arquirrival nerazzurri.

Publicidade

Restando 12 rodadas para o término do Campeonato Italiano, os bianconeros possuem um ponto apenas à frente da Lazio – 63 a 62 pontos. A Inter de Milão fecha em terceiro com 54 tentos, mas tem um jogo a menos.

Diante do cenário da pandemia do coronavírus, o futebol na Itália ainda não tem uma previsão concreta de retorno. Vivenciando uma fase menos crítica da pandemia, o governo italiano liberou que as equipes voltem aos treinamentos no próximo mês.

Publicidade
Next post

Reforço de peso? Craque do futebol europeu bate o martelo sobre o Flamengo: ‘Quero voltar’

Barcelona bate o martelo sobre o futuro do brasileiro Philippe Coutinho