in

Ronaldinho sofre maior castigo e abre o jogo sobre prisão: ‘Golpe muito duro’

G1
Publicidade

Acostumado a brilhar nos campos de todo o mundo, Ronaldinho vive um momento delicado de sua vida. O ex-craque do Barcelona e do Atlético-MG, campeão do mundo pela seleção brasileira e eleito duas vezes o melhor eleito do mundo, segue preso no Paraguai.

Ronaldinho chegou ao país no dia 4 de março e foi detido, junto com o irmão Roberto Assis, por portar cédulas de identidade e documentos falsos. Nos últimos dias, mais duas pessoas tiveram seus nomes envolvidos no caso e uma delas acabou presa. Ronaldinho e Assis estão cumprindo prisão domiciliar.

Ronaldinho se deu mal ao ser preso no Paraguai

Ronaldinho e Assis receberam os documentos falsos quando desembarcaram em Assunção, no dia 4 de março. Os dois estão presos por mais de 50 dias e só agora outras pessoas começam a pagar pela participação na falsificação das cédulas de identidade e passaportes. Dalía López, empresária que levou Ronaldinho para o Paraguai, segue foragida.

Publicidade

No início da semana passada, a polícia prendeu Wilson Arellano. O homem é filho de um funcionário da imigração. De acordo com o MP do Paraguai, ele seria um dos encarregados de processar os documentos falsos. Na sexta-feira (24), Víctor Manuel Cabrera Villalba foi denunciado e também teria participação na falsificação.

Publicidade

Ronaldinho sofre duro golpe

Somente agora outras pessoas começam a ser punidas no caso de falsificação de documentos em que Ronaldinho, o nome mais famoso entre os envolvidos, está sendo punido desde março. “Foi um golpe muito duro. Nunca imaginei que fosse passar por uma situação assim”, afirmou o ex-craque em entrevista ao jornal ABC, de Assunção.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

Fifa: após pandemia, entidade vai aumentar número de substituições por partida

Presidente da AFA confirma medida drástica no futebol argentino por conta do coronavírus