in

Ronaldinho Gaúcho quebra o silêncio a fala sobre prisão no Paraguai

Divulgação - ABC Color
Publicidade

Detido no Paraguai há quase dois meses por conta de documentos falsos, o ex-jogador Ronaldinho Gaúcho quebrou o silêncio e deu sua primeira entrevista para falar sobre o caso. Em matéria publicada nesta segunda-feira (27) pelo jornal ABC Color, o Bruxo contou como foi sua reação diante do caso e como tem sido a sua rotina na prisão domiciliar.

Após 32 dias detidos no Agrupación Especializada da Polícia Nacional do Paraguai, Ronaldinho Gaúcho e Assis conseguiram a liberação para serem transferidos ao regime domiciliar. Desde o início do mês, a dupla está no Hotel Palmaroga, em Assunção.

“Ficamos totalmente surpreendidos ao saber que os documentos não eram legais. Desde que isso aconteceu, nossa intenção foi colaborar com a Justiça para esclarecer isso. Até hoje, explicamos tudo e facilitamos tudo o que a Justiça nos solicitou”, disse o ex-jogador.

Publicidade

Confiança e desejo

Ainda no papo com o ABC Color, Ronaldinho Gaúcho se mostrou tranquilo e confiante em sua inocência no caso, e afirmou que espera sair dessa situação incômoda o mais rápido possível. O Bruxo ainda revelou o que quer fazer quando todo o “pesadelo” acabar.
 

Publicidade

“A primeira coisa que farei é dar um beijo na minha mãe”. Segundo o ex-jogador, a sua mãe vive “dias difíceis” desde o início da pandemia do coronavírus.

Detidos desde o dia 7 de março, Ronaldinho e Assis seguem sem previsão fixa de deixar o Paraguai. A dupla terá que ficar em prisão domiciliar até o término da investigação. 

Mesmo estando preso, o Bruxo já apareceu em duas lives beneficentes de grupos de pagode, fatos que agitaram os internautas.

Publicidade

Sem bilionário russo, Fortaleza tem prejuízo milionário por causa do coronavírus

Mercado da bola: sondado pelo Corinthians, Willian tem futuro praticamente definido