in

Maradona sai em defesa de Ronaldinho Gaúcho em caso de prisão no Paraguai

Divulgação
Publicidade

Respeitando a quarentena em sua residência em Buenos Aires, o ídolo da Albiceleste, Diego Maradona, voltou a declarar o seu apoio por Ronaldinho Gaúcho, que segue em prisão domiciliar no Paraguai por ter entrado no país com documentação falsa juntamente com seu irmão. Em entrevista ao jornal “El Día”, o Pibe afirmou que está triste por ver o ex-jogador e amigo nesta situação, e manifestou apoio incondicional até o fim.

“Claro que fico triste. Não é um delinquente, ele só foi trabalhar. Seu erro é ser ídolo, parece… é meu amigo e o apoio até a morte”, afirmou Maradona.

Anteriormente, Maradona já havia declarado apoio ao ex-jogador. No dia seguinte da prisão de R10 e seu irmão Assis, o Pibe publicou uma mensagem em suas redes sociais, acreditando na inocência do brasileiro. Depois de passar 32 dias no Agrupación Especializada, R10 e Assis conseguiram a liberação da Justiça do Paraguai para ficarem em prisão domiciliar. Desde o início do mês, os dois estão hospedados no Hotel Palmaroga, em Assunção.

Publicidade

Ronaldinho e Maradona são amigos há um bom tempo. O Bruxo, inclusive, sempre é citado pelo ídolo argentino como um dos seus jogadores favoritos no futebol. Os dois ex-jogadores já trocaram inúmeros presentes.

Publicidade

Situação na Argentina

Ainda na entrevista, Maradona contou como tem sido a sua rotina cumprindo a quarentena por conta da pandemia do coronavírus. O treinador manifestou o desejo de permanecer no comando do Gimnasia La Plata por mais tempo, contudo enfatizou que apesar da saudade do futebol, só espera retomar as atividades quando o cenário for totalmente seguro.

Apesar da Argentina não acumular números expressivos do coronavírus, o futebol segue sendo tratado como segundo plano, e não previsão de retorno a um curto prazo no país.

Publicidade
Next post

Flamengo vende máscara com marca do clube e vira sucesso em todo o mundo

AFA tomará decisão drástica no futebol argentino por conta do coronavírus, diz jornal