in

Ministério da Saúde sinaliza quando futebol brasileiro deve ser retomado

Divulgação - CBF
Publicidade

A pandemia do coronavírus impactou diretamente o cronograma do futebol brasileiro. Com nosso país prestes a viver o pico da doença, não há uma previsão concreta acerca da retomada dos Estaduais – que ainda estão com a continuidade ameaçada – e de todas as outras competições.

Diante disso, a CBF segue “quebrando a cabeça” para encontrar alternativas. Contudo, se depender do Ministério da Saúde, a bola não volta a rolar nos gramados brasileiros antes do mês de junho. De acordo com o site UOL, membro da pasta do governo já sinalizaram que “há condições de garantir a saúde” dos jogadores e do staff na realização de embates, mesmo não havendo a presença dos torcedores nos estádios.

Acompanhando a evolução dos casos do Covid-19 incisivamente com o Ministério da Saúde, a CBF deve seguir as recomendações do governo, mesmo sendo constantemente pressionada pelos clubes, que querem um posicionamento concreto.

Publicidade

Com a suspensão transpassando os 30 dias, o Brasileirão começa a ficar sob risco. As equipes exigem que o formato de pontos corridos seja mantido com as 38 rodadas, para que o dinheiro de cotas televisivas não seja diminuído.

Publicidade

Um mês de suspensão

Diante da pandemia do coronavírus, o calendário do futebol brasileiro foi totalmente paralisado para evitar a disseminação da doença. No dia 15 de março, a CBF oficializou a suspensão dos torneios organizados por ela, e deixou a decisão para interromper os Estaduais para as federações. 

Embora tenha ocorrido algumas indefinições e polêmicas sobre o assunto, as entidades ao longo daquela semana foram anunciando a suspensão dos seus respectivos certames. De todos os campeonatos, o Carioca é que parece mais próximo de ter um retorno. Isto porque, a Ferj montou um protocolo de segurança, seguindo todas as recomendações para retomar as atividades.

Caso Ronaldinho: autoridade brasileira abre o jogo sobre momento difícil vivido pelo craque

Zé Love, ex-atacante do Santos, afirma que Neymar poderia ter superado Messi