in

Ronaldinho sofre duro golpe no Paraguai após Justiça autorizar prisão domiciliar

G1
Publicidade

Ronaldinho e Assis deixaram a Agrupación Especializada, em Assunção, e foram encaminhados para prisão domiciliar. Os dois estiveram presos do dia 6 de março ao dia 7 de abril. Foram 32 dias atrás das grades, sem contato com o mundo exterior, a não ser por meio de visitas e de telefonemas.

Ronaldinho e Assis foram detidos ao serem pegos com cédulas de identidade e passaporte falsos. Dois dias depois, foram encaminhados ao presídio de segurança máxima improvisado em quartel. Junto com o ex-craque do futebol estavam presos integrantes do crime organizado e ex-policiais criminosos.

Ronaldinho tem plano de deixar o Paraguai frustrado

A Justiça do Paraguai está praticamente paralisada. O país vizinho ao Brasil está em quarentena devido à pandemia causada pelo novo coronavírus. A previsão inicial era de que o retorno acontecesse nesta segunda-feira (13), mas o governo decidiu adiar por mais uma semana.

Publicidade

Neste momento, apenas os casos mais urgentes estão sendo tratados pela Justiça do país. Ronaldinho e Assis seguem em prisão domiciliar em um hotel da capital do país. Os dois são acompanhados pela polícia, a pedido do Ministério Público e determinação do juiz Gustavo Amarilla, que ordenou a ida dos brasileiros ao regime domiciliar.

Publicidade

Defesa de Ronaldinho não pode entrar com novo recurso

De acordo com o Zero Hora, a defesa de Ronaldinho está impedida de entrar com novo recurso. O momento é de esperar para saber o que vai acontecer. O próximo pedido da defesa do ex-jogador seria o de autorização para retorno ao Brasil. Com a paralisação da Justiça, o plano está frustrado, pelo menos por enquanto.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Gabigol abre o jogo em conversa com ex-craque do Flamengo: ‘sou mais ídolo que você’

Árbitro Anderson Daronco abre o jogo sobre paralisação do futebol e falta de renda