in

Ronaldo Fenômeno vira empresário de sucesso e tem time de futebol na Espanha

Globo Esporte
Publicidade

Ronaldo Fenômeno foi um jogador de muito sucesso. Três vezes eleito o melhor jogador do mundo, ele começou a carreira no Cruzeiro, foi vendido ao PSV, da Holanda, e iniciou caminhada de sucesso no futebol europeu, onde passou por gigantes como Inter de Milão, Barcelona, Milan e Real Madrid.

Pela seleção brasileira, Ronaldo estava no elenco tetracampeão do mundo em 1994, foi destaque em 1998 e deu a volta por cima e conquistou o título em 2002. Quatro anos depois, em 2006, o Fenômeno jogou mais uma edição da Copa do Mundo, a última de sua carreira.

Publicidade

Ronaldo comprou time na Espanha

Se dentro de campo Ronaldo fez sucesso, fora dele também. O jogador foi um dos primeiros a ganhar muito dinheiro na era do marketing esportivo. Ele tinha muitos patrocinadores e ficou milionário em pouco tempo. Atualmente, Ronaldo é um dos donos do Valladolid, equipe da primeira divisão do Campeonato Espanhol.

As ações do clube, de acordo com o Globo Esporte, estão divididas da seguinte maneira: 51,05% pertencem à Tara Sports; 21,68% pertencem a Ronaldo Fenômeno. O ex-jogador é o único dono da Tara Sports. No total, Ronaldo tem 72,73% das ações do clube. Ele dá a palavra final no clube.

Publicidade

Clube de Ronaldo disputa primeira

Ronaldo começou a caminhada como dono do Valladolid comprando 51% do capital do clube, em setembro de 2018, por 30 milhões de euros. Em seguida, o ex-craque ampliou a particiação e chegou aos quase 73% que tem agora. O Valladolid é o 15º colocado do Campeonato Espanhol. O desejo de Ronaldo é levar o clube à Liga Europa ou, quem sabe, à Champions League. O objetivo do momento, porém, é manter a equipe na primeira divisão.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator do i7 Network.

Next post

Fábio Carille segue ligado ao Corinthians e comenta decisão polêmica de Tiago Nunes

Ronaldinho pode deixar prisão no Paraguai por um motivo inesperado: coronavírus