in

Ronaldinho e a última sobre a sua prisão: ‘arbitrária, ilegal e abusiva’

G1
Publicidade

Ronaldinho e seu irmão, Roberto Assis, seguem presos em Assunção, no Paraguai, desde o dia 6 de março. No momento, a defesa do ex-craque do Barcelona e do empresário aguardam perícia nos celulares dos dois irmãos. A perícia deve ficar pronta dentro de uma semana. As informações foram divulgadas pelo portal Globo Esporte.

Perícia nos celulares
começou na terça-feira

O Ministério Público do Paraguai investiga as ligações de Ronaldinho e Assis com a empresária Dalia Lopez, ligada a um suposto esquema de lavagem de dinheiro. A perícia nos telefones dos irmãos brasileiros começou na noite desta terça-feira (17) e deve ficar pronto no dia 25, após uma semana.

Publicidade

O advogado brasileiro Sérgio Queiroz, que acompanha Ronaldinho e Assis, afirmou que o perito que faz a análise se comprometeu a ser célere na perícia realizada nos aparelhos. Conversas em aplicativos de mensagens e telefonemas serão avaliados.

Ronaldinho e Assis seguem presos
em cadeia de segurança máxima

Enquanto a investigação é feita e a perícia nos aparelhos já começaram, Ronaldinho e Assis continuam presos na Agrupação Especializada de Assunção, um presídio de segurança máxima localizado na capital do país e administrado pela Polícia Nacional do Paraguai. Os jogadores tem algumas regalias, como cela com fogão, ar-condicionado, televisão e geladeira.

Publicidade

De acordo com o Globo Esporte, Ronaldinho e Assis reclamam do período que estão presos. Até esta quarta-feira (18) são 12 dias atrás das grades e isso deve perdurar, pelo menos, até o fim da perícia nos aparelhos. Os irmãos foram presos por portarem cédulas de identidades e passaportes falsos ao entrarem no país.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator do i7 Network.

Next post

Mercado da bola: Cruzeiro muito próximo de anunciar treinador especialista na Série B

Mercado da bola: Athletico-PR e Santos fazem negócio de R$ 10 milhões por zagueiro