in

Torcida do Palmeiras elege Ramires e Bruno Henrique vilões na estreia na Libertadores

Reprodução SporTV
Publicidade

O Palmeiras estreou na Copa Libertadores de 2020 com o pé direito. Fora de casa, o Verdão venceu bem o Tigre, na Argentina, por 2 a 0. Estrear com vitória em um torneio como a Libertadores é sempre muito importante e dá confiança para o restante da competição.

Além do Tigre, o Verdão terá como adversários o Bolívar, da Bolívia, e o Guaraní, do Paraguai, que eliminou o arquirrival Corinthians na segunda fase da competição sul-americana. Apesar do bom resultado e dos muitos elogios a Willian Bigode, que marcou um golaço na partida, também hou ve criticas nas redes sociais.

Publicidade

Torcida do Palmeiras critica dupla de volantes

Os torcedores do Palmeiras gostaram da vitória, mas não gostaram do futebol apresentado por Bruno Henrique e Ramires, a dupla de volantes da equipe. No twitter, muitos palmeirenses criticaram a atuação dos dois. “Patrick de Paula e Zé Rafael formam uma dupla melhor que Bruno Henrique e Ramires.
Tem gente jogando por nome. Palmeiras sonha bom bi da Libertadores”
, comentou um torcedor.

As críticas envolveram também Vanderlei Luxemburgo. Para alguns torcedores do Palmeiras, ele deve procurar uma dupla de volantes que se encaixe no time. No futebol moderno, ter bons volantes é fundamental para o sucesso de uma equipe. Alguns palmeirenses fizeram piada com a atuação de Bruno Henrique e Ramires.

Publicidade

Palmeiras vai em busca do bi na Libertadores

O Palmeiras foi campeão da Libertadores uma única vez, em 1999. Desde então, o time já parou nas quartas de final, semifinal e até na final, no ano 2000. A torcida sonha com o segundo título na competição sul-americana e o retorno ao Mundial de Clubes.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator do i7 Network.

Next post

Torcida do Palmeiras elege Willian Bigode o melhor em campo na vitória sobre o Tigre

Coronavírus afeta PSG de Neymar Junior: o que faltava ao brasileiro