in

Presidente da Federação Pernambucana se revolta contra torcida organizada: ‘deveria ter atirado neles’

JC Online
Publicidade

Na segunda-feira (3), torcedores do Santa Cruz se reuniram no pátio de Santa Cruz para comemorar os 106 anos da equipe pernambucana.

O evento tradicional é realizado desde 2014 e conta com a presença de torcedores comuns, sem qualquer vínculo com torcidas organizadas.

O evento deste ano terminou muito porque o grupo que comemorava o aniversário do Santa Cruz foi atacado por um grupo de uma uniformizada do Sport.

Publicidade

Polícia Militar foi acionada para interromper tumulto

Policiais militares foram chamados para acabar com a bagunça que acontecia no pátio Santa Cruz. Tiros chegaram a ser disparados pelos policiais que atenderam à ocorrência.

Publicidade

Duas pessoas acabaram detidas em meio à bagunça. Elas estavam machucadas e foram liberadas logo em seguida. A Polícia Civil abriu inquérito para investigar o que aconteceu.

Presidente da federação fala sobre briga

Presidente da Federação Pernambucana de Futebol (FPF), Evandro Carvalho deu entrevista à Rádio Jornal, na terça-feira (4), um dia depois do ocorrido, e causou polêmica com as declarações.

Ao G1, ele reiterou tudo o que havia falado à rádio. “Infelizmente, a polícia atirou para cima. Deveria ter atirado neles. Seriam de 30 a 40 marginais a menos na cidade”, afirmou Carvalho.

“A lei é frouxa. Fizemos pelo menos três projetos, mas o Congresso Nacional não fez nada de concreto. Tem gente que diz que eles são vítimas da sociedade”, declarou o ex-delegado de polícia.

Carvalho é favorável à pena de morte aplicada pelo estado e defensor do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

Palmeiras, Corinthians ou Athletico-PR? Rony bate o martelo e define: ‘contrato até 2023’

São Paulo: time campeão da Copinha em 2019 já rendeu R$ 35 milhões