in

Corinthians: Cantillo veste a camisa 24 e é eleito o melhor em campo na derrota

Divulgação Corinthians
Publicidade

O Corinthians visitou a Ponte Preta, na noite de quinta-feira (30), pelo Campeonato Paulista, e acabou derrotado por 2 a 1. O resultado não foi bom, a torcida não gostou do que viu, mas ao menos o volante Cantillo foi elogiado pelos torcedores nas redes sociais.

Com o resultado, o Timão caiu para a segunda posição do grupo D, com quatro pontos. O líder Guarani também tem quatro pontos. Bragantino tem dois e Ferroviária, apenas um.

A Ponte Preta permaneceu na segunda posição do grupo A, com seis pontos. O líder Santos tem sete. Oeste, com três, e Água Santa, zerado, completam a classificação.

Publicidade

Cantillo foi inscrito no BID

O Boletim Informativo Diário (BID) da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) divulgou o nome de Cantillo horas antes de a bola rolar no Estádio Moisés Lucarelli.

Publicidade

Com o nome no BID, o jogador do Corinthians pode entrar em campo. A inclusão do nome de Cantillo ocorreu após o Independiente del Valle, sua equipe na Colômbia, liberar a documentação.

Torcida do Corinthians elogia Cantillo

Cantillo entrou em campo com a camisa 24, alvo de polêmica nas últimas semanas, e foi bastante elogiado pelos torcedores corintianos nas redes sociais. Para a grande maioria, o volante colombiano foi o melhor jogador em campo.

Cantillo entrou no segundo tempo e de uma nova cara ao time comandado por Tiago Nunes. O Corinthians não venceu, mas o jogador foi elogiado pela forma como atuou.

“Cantillo joga demais.
O grande erro do Tiago hoje foi não ter segurado ele no primeiro tempo. É o dono do meio campo. Uma classe absurda”,
comentou um torcedor.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network desde 2015.
Fale comigo: diogojornalismo@yahoo.com.br

Next post

Goleiro Bruno Fernandes abre o jogo e faz revelação polêmica sobre seu futuro no esporte

Goleiro Jean tem caso de agressão arquivado e São Paulo não pode demitir por justa causa