in

Jorge Jesus e a agressão de torcedores que virou caso de polícia e fez ele ir depor

Divulgação Flamengo
Publicidade

O treinador português Jorge Jesus viveu um ano mágico em 2019. No comando do Flamengo, onde chegou em junho, ele conquistou a Copa Libertadores da América e o Campeonato Brasileiro.

Os resultados fizeram Jorge Jesus se tornar um ídolo da torcida rubro-negra. Nos estádios, é comum os torcedores ovacionarem o treinador aos gritos de “Mister”.

Publicidade

O ano de 2019 foi bem diferente de 2018, quando Jorge Jesus dirigia o Sporting, de Portugal, e acabou agredido por torcedores revoltados com a perda da vaga na Liga dos Campeões.
Um líder da torcida continua preso e o presidente do clube na época é alvo do Ministério Público e acusado de ser o autor moral dos ataques.

Jorge Jesus depôs sobre agressões

No dia 15 de maio de 2018, torcedores do Sporting invadiram o CT em Alcochete. Rojões, bastões, cintos e artefatos pirotécnicos foram utilizados na agressão.

Publicidade

A cena foi de guerra. “Aquilo parecia a marcha de um pelotão de guerra. O vestiário ficou cheio de fumaça e, ali, fui agredido”, contou Jesus, em depoimento à Justiça que o fez interromper os dias de férias em Portugal.

O treinador afirmou que foi atingido no rosto, sofreu ataques com cintos e levou socos no nariz. O julgamento do caso ocorreu no tribunal de Monsanto, em Lisboa. Jesus depôs por videoconferência.

Líder de torcida continua preso

Para o Ministério Público, Bruno de Carvalho, então presidente do Sporting, é autor moral dos ataques. Nuno Mendes, líder da torcida Juventude Leonina, é o único que permanece preso. Ele permanece em prisão preventiva.

Publicidade
Avatar

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator do i7 Network.

Next post

Cruzeiro: Alexandre Mattos deixa clube e explica o motivo de ter tomado essa decisão

Flamengo: saiba qual deve ser a escalação da estreia na Taça Guanabara